Humor

A ninfomaníaca de Mata da Praia

sexta-feira, junho 05, 2015Roberth Moura

Se você veio até esta postagem pensando encontrar aqui cenas do tipo das exibidas no filme Ninfomaníaca de Lars Von Trier, sinto te informar, mas você está redondamente enganado. Nada de mulher gostosa louca para usada por você dia e noite insaciavelmente, seu pervertido tarado. Vai queimar no lago de enxofre por ficar pensando essas coisas.


Na verdade, o que você vai encontrar aqui é exatamente o oposto de toda a sua heteronormatividade institucionalizada. O artigo de hoje é sobre meu amigo gay, carinhosamente chamado de Bee, que a partir de hoje – após a enorme repercussão midiática que este blog terá nacional e internacionalmente – será mais conhecido como “A Ninfomaníaca de Mata da Praia”.

Mudança de república: das tramas da heteronormatividade e para o lócus da homonormatividade

Quem acompanha minha vida aqui pelo blog já sabe de todas as minhas peripécias na mudança de Minas para Vitória. Para quem chegou a este texto por acaso e não sabe nada de nada, leia A vida em república para se inteirar mais.
Pois bem, os rapazes que moravam comigo eram adoráveis, gente fina, parça, mano no peito. Mas, como escrevi na postagem anterior, o quarto era compartilhado. E como eu, com muito suor, consegui uma bolsa de mestrado do CNPq, resolvi me dar ao luxo de mudar para um local onde eu tivesse um quarto só meu. Tudo meu, e de mais ninguém. Pra eu fazer várias coisas. A madrugada toda. Tipo ler vários livros, só pra quando o professor perguntar o que eu faço de meia noite a seis, eu ter o prazer de jogar na cara dele.
Voltando ao assunto da república (porque o foco hoje não sou eu), na minha república antiga, que só tinha homens, de cada 10 coisas que se falava, 7 era sobre mulher. Não tenho nada contra mulher. Na verdade, gosto muito de mulher. Tenho até algumas amigas que são mulheres. Na minha família, inclusive, algumas pessoas se assumiram como mulheres. Isso acontece nas melhores famílias. Mas vamos combinar que tudo que é demais cansa, inclusive falar de mulher. Até chocolate, que é a melhor coisa do mundo. Um dos meus colegas de república emitia umas ideias atravessadas que minhas amigas feministas piravam o cabeção. Machista e heteronormativo até o talo (tirando isso você é uma pessoa ótima, tá Jojô?). Mas eu jamais, em toda história deste país poderia imaginar que eu fosse me mudar para um lugar completamente o oposto.
E só para fazer uma comparação esclarecedora, o oposto de um alimento salgado, não é um alimento sem sal. É um alimento doce. Neste caso, muito doce. Transbordando mel por todos os lados. Respingando até a 5ª geração.

nacional e internacionalmente -
Apresentação do bairro Mata da Praia e da cidade de Vitória

Me mudei para Mata da Praia, um bairro na cidade de Vitória onde reside a tradicional família brasileira. Como eu tenho leitores pelo mundo inteiro, dediquei este parágrafo para explicar nossa localização. Vitória é a capital do estado do Espírito Santo. Não, Espírito Santo não fica entre o Acre e a Guiana Francesa. Fica esmagado entre o Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e o Oceano Atlântico. Em relação ao bairro, a Wikipédia pode nos ajudar a saber mais sobre ele. Clique em Mata da Praia e leia mais.
Esclarecido o porquê do “Mata da Praia” no título deste artigo, vamos à explicação do motivo da inserção do “ninfomaníaca”.

Sexo selvagem na capital

Você faz sexo três vezes por semana e se acha o bambambam do pedaço? Acha que suas táticas de conquista são infalíveis (mesmo todo universo esfregando na sua cara que não)? Adora contar para seus amigos que no terceiro encontro conseguiu levar a fulana pra cama? Ou que foi à boate e beijou 1 loira, 2 morenas e 4 ruivas?
Pois você não chega nem aos pés do nosso querido colega, meu caro amigo. Você não é nada perto dele. Se ele fosse um iceberg você sequer seria a ponta. Ele é quase um guru do amor. A personificação do Kama Sutra. Ele é A ninfomaníaca, a devoradora de homens.
De cabelo raspadinho, braços bombados, barriga de tanquinho, quem o vê, acha que ele está sempre indo ou voltando da academia. Com seu estilo fitness, boné na cabeça, sorriso mineiro e olhar brejeiro, faz todas as inimigas tremer. Desejado por todxs do Grindr, tem o poder de escolher quem será o prato principal e quem será a sobremesa da noite. Por onde passa, domina todo ambiente. A gata arrasa!

Saiu do armário aos 13 anos de idade, quando começou sua grande jornada em busca de machos. Na adolescência, ficava acordado até quatro horas da manhã todas as noites pra esperar certo fulaninho sair da lanchonete que trabalhava só para “brincarem” juntos até o amanhecer. Certa vez, a gula foi tanta que, em uma noite, adentrou em uma festinha com 7 elementos e a amnésia alcoólica não permitiu que ela se lembrasse de nada, embora os chupões por todo corpo dissessem muita coisa. Ela é categórica ao afirmar que não tem a menor ideia do que fizeram com seu corpo atlético. Acredite quem quiser. E, como tática para ampliar seu campo de atuação e amenizar sua sede insaciável, formou-se em educação física e foi trabalhar em uma escola cheia de adolescentes transbordando testosterona, loucos por um buraco qualquer. Depois que pegou gosto pela coisa, nunca mais parou, até os dias de hoje.

Do café da manhã até a hora de dormir o assunto é homem. De cada 100 coisas ditas, 101 gira em torno do possuidor do objeto fálico. A ninfo da minha casa tem um poder especial de mudar o foco de todo e qualquer assunto para sexo:

Ela: Ô bi, o quê que a senhora tá preparando pro café da manhã?
Eu: Primeiramente, não me chama bi. Tô fazendo cachorro quente.
Ela: Hum... Vai colocar a salsicha na boca, né, HAHAHAHAHA!

E mais tarde:

Eu: Vamos à fábrica da Garoto comprar chocolate comigo?
Ela: Nossa, uma vez eu peguei um homem, passei chocolate nele de cima a baixo e lambi ele todinho.



Em outro momento:


Eu: (lavando roupa) Olha como a minha camisa ficou branquinha! Use você também Vanish Poder O2 e acabe com as manchas.
Ela: Bi, você nem imagina, mas eu peguei um cara quando eu fui lá no Rio de Janeiro, negão, com a neca deste tamanho (afasta bem as duas mãos), que tinha um sorriso tão branquinho que chegava até brilhar! Cê sabe o quê que é neca, não sabe?
Eu: (pocker face por toda eternidade).

Vocês podem até não acreditar, mas na primeira semana que eu me mudei, chegando da universidade, às 3 da tarde, com o sol escaldante da primavera sul-americana, ouvi barulhos estranhos oriundos detrás da porta fechada do quarto. Até então eu não sabia de nada. Entrei para o meu quarto, mas deixei minha porta aberta, caso alguém precisasse de mim para algo, porque eu tenho uma alma benevolente e caridosa. Minutos depois o barulho estranho para. E então, quem eu vejo completamente nu andando pela sala? Ela, a poderosa deusa do prazer.
Ela: (susto) Nossa! Você tá aí?

 Eu? Imagina! Se eu sei o que é neca, querida? Sim... É tudo aquilo que você tentou esconder de mim neste dia, mas não obteve muito sucesso.

Nomenclatura proposta para uma delimitação identitária do objeto sexual: apelidos para os peguetes

Tratar as pessoas pelos nomes? Nada disso! Isso é coisa para amadores, meros mortais como eu e você. Aqui, os objetos sexuais são tratados como “o cara da tatuagem”, “o vizinho bundudo”, “o bombadão de Jardim da Penha”, “o cara do piru pequeno”, “o gostosinho da UFES”, “o turista safado”, “o engenheiro da boca fedendo”, “o loirinho passivo”, “o policial da bunda cabeluda” e assim sucessivamente. Não vou colocar os que envolvem descrições mais detalhadas do atributo masculino porque meu blog é lido pela família tradicional mundial.

Aplicação do método gayzorcizante: limites e possibilidades

Ao contrário do machista, que solta suas “pérolas” no decorrer do seu discurso, o gayzorcista, além de ser um gaychista, quer transformar as pessoas que estão ao seu redor. O conceito gayzorcista, foi originalmente proposto pela filósofa contemporânea Natália Klein, pessoa que me serve de inspiração para escrever para meu público. Na concepção da autora, os gayzorcistas (conceito proposto originalmente com x, e não com z: gayxorcista) acabam com a autoestima de qualquer pessoa, te fazem tomar as bebidas que só gays tomam (leia aqui Bebidas que héteros jamais podembeber), enfiam expressões em inglês no meio de toda e qualquer frase, dentre outras características particulares. 
A minha colega ninfo não faz outra coisa comigo, desde que cheguei, nu e cru, na minha inocência mineira. Por exemplo, de tanto ele me falar que meu corpo peludo era nojento – acabando com a minha autoestima e minha razão de viver – fui obrigado a retirar todos os pelos da minha existência. Fiquei coçando por três dias e três noites. Não faço isso nunca mais.
Mas os gayzorcistas não descansam e nunca se dão por satisfeitos até atingirem seu objetivo. Uma forma que ele encontrou de acessar meu inconsciente para gayzorcizá-lo foi através de ondas sonoras. Sim, ele me obriga a ouvir suas músicas americanazinhas pop. Rihana, Beyoncé e muitas outras que eu nem faço a menor ideia do nome. O gayzorcismo foi tão forte que eu baixei o clipe da Meghan Trainor (All about the bass) e fico assistindo o tempo todo. #QueimaEleJesus.
Tom Jobim revira no túmulo toda vez que isso acontece.



Conclusão
Se você se interessou na peça, entre em contato comigo. As chances do lobo mal comer a chapeuzinho vermelho (ou seja, você) são enormes.

Mas se você quer ser chapeuzinho vermelho, corra. Pelo jeito que as coisas andam por aqui, é bem capaz da ninfo se aposentar mais cedo que se imagina. Eu, que sou um rapaz de família, que quero namorar, casar, ter filhinhos, uma casa com quintal e balanço de pneu reciclado, não estou arrumando ninguém. Quando ela se apaixona, todo este cenário descrito neste post muda e ela vira moça de família, de passar a noite assistindo filme e dormir de conchinha. E eu sinto algo diferente no ar. A minha bola de cristal freudiana é infalível.


Contudo, a Gestalt ainda não está fechada. Desta forma, podemos concluir que tudo pode acontecer a qualquer momento com qualquer pessoa em qualquer lugar. Então, cuide-se, porque a próxima vítima pode ser você. 

You Might Also Like

1 comentários

  1. Odacyr, que texto bom ! Fico muito feliz por voce ter conseguido sua bolsa. Continue arrumando inspiracoes tao interessantes para seus textos e um dia quando vc for um psicologo famoso publique esses textos. Mais uma vez: parabens.

    ResponderExcluir

Flickr Images

Formulário de contato