Opinião e Atualidades Ótica Psicológica

Homossexualidade: Genética ou Meio?

sexta-feira, maio 20, 2011Roberth Moura

      
       Na postagem anterior denominada Homossexualidade: Hereditariedade X Meio ambiente, muitas críticas foram direcionadas à minha opinião. Isso é bom, pois me instiga a pesquisar mais sobre o assunto, apesar do objetivo do blog não ser de produzir artigos científicos, mas meramente expressar opinião. Contudo, para não deixar meus leitores no vácuo busquei segundas opiniões sobre o assunto (nos livros e no scielo) e encontrei uma matéria que fala exatamente sobre isso no livro “A criança em desenvolvimento”, da autora Helen Bee, internacionalmente reconhecida por seu trabalho. Minha opinião ficou abalada, mas ela não jogou por terra a possibilidade dos exemplos dados anteriormente. Abaixo transcreverei o que diz o seu artigo:


       Para a grande maioria dos adolescentes, "atividade sexual" é atividade heterossexual. Mas uma minoria é atraída para o seu próprio gênero. Em um recente estudo de quase 35 mil jovens de escolas públicas de Minnesota, Remafedi e colegas descobriram que um pouco menos de 1 % dos meninos adolescentes e apenas 0,4% das meninas se definiam como homossexuais, mas cerca de 1 em 10 disse estar "em dúvida" sobre sua orientação sexual, e de 2 a 6% relataram sentir atração por pessoas do mesmo sexo. Da mesma forma, em um estudo menor de quase 500 estudantes de 10ª a 12ª séries na Austrália, Buzwell e Rosenthal descobriram que apenas dois sujeitos se descreviam como homossexuais, mas que 4,2% tinham tido pelo menos uma experiência homossexual, embora tivessem se rotulado como heterossexuais.

       Esses números são um pouco mais baixos, mas ainda, de modo geral, consistentes com os dados recentes e mais abrangentes sobre a orientação sexual dos adultos norte-americanos; de 2 a 3% dos adultos consideravam-se homossexuais ou bissexuais; quase o dobro disse sentir atração por pessoas do mesmo sexo.

       Evidências recentes reforçaram bastante a hipótese de que a homossexualidade tem uma base biológica. Por exemplo, estudos atuais sobre gêmeos mostram que, quando um gêmeo é homossexual, a probabilidade de o outro também ser é de 50 a 60%. No caso de gêmeos fraternos, esse "índice de concordância" é de apenas 20%, e, no caso de pares de meninos sem relacionamento biológico adotados pela mesma família, o índice é de apenas 11%. Comparações mais diretas de padrões genéticos e arquitetura cerebral de homens homossexuais e heterossexuais apontam, sobretudo para a possibilidade (ainda não firmemente confirmada) de que o comportamento homossexual pode ser "pré-ativado".


      
       Estudos adicionais afirmam que os padrões hormonais pré-natais também podem ser uma das causas da homossexualidade. Por exemplo, as mulheres cujas mães tomaram a droga dietilestilbestrol (DES, um estrógeno sintético) durante a gravidez apresentam uma probabilidade maior de serem homossexuais quando adultas do que as mulheres não-expostas ao DES.

       Então, acumulam-se informações indicando ser muito provável que os meninos que apresentam comportamentos típicos do outro sexo no período de bebê e na infância inicial tenham preferências homossexuais ao atingirem a adolescência, achados que são consistentes com a hipótese de que a homossexualidade está estabelecida no momento do nascimento.

"Saindo do armário"
       Tais evidências biológicas não significam que o ambiente não desempenhe nenhum papel na homossexualidade. Nenhum comportamento é inteiramente controlado ou pela natureza ou pelo ambiente, como eu afirmei muitas vezes. Nós sabemos, pelo menos, que 40 ou 50% dos gêmeos idênticos não compartilham a mesma orientação sexual. Algo além da biologia deve estar agindo - só que ainda não sabemos quais fatores ambientais estão envolvidos.

       Seja qual for a causa, os adolescentes homossexuais são uma minoria que enfrenta altos níveis de preconceito e estereotipia. Muitos são verbalmente atacados ou ridicularizados; cerca de um terço é agredido fisicamente pelos colegas. Por essas e por outras razões, esses jovens correm um alto risco de vários problemas. No estudo de Remafedi em Minneapolis, por exemplo, quatro quintos dos adolescentes homossexuais pioraram muito seu desempenho escolar, e mais de um quarto abandonou a escola no ensino médio. Eles, além disso, precisam lidar com a decisão de revelar ou não sua homossexualidade. Aqueles que revelam sua opção sexual costumam contar aos amigos em vez de contar aos pais, embora contar aos amigos seja um pouco arriscado: em seu estudo em Minneapolis, Remafedi descobriu que 41 % dos rapazes homossexuais tinham perdido um amigo por causa dessa escolha; a maioria não contara a nenhum dos pais.

Pais culpando um ao outro pela opção sexual do filho

       Com certeza, existe muita coisa que ainda não sabemos sobre os adolescentes homossexuais. O que está claro é que os anos da adolescência costumam ser bastante estressantes para esse subgrupo.

You Might Also Like

18 comentários

  1. Também não é tão dramático como a pesquisadora mostra. O quadro já mudou muito em favor dos homossexuais. Daqui a pouco vão ser os não homossexuais que serão minoria e sofrerão "preconceito e estereotipia".

    ResponderExcluir
  2. A roda gigante gira...

    Foi bem colocado seu comentário Luana, pois essa pesquisa foi feita há alguns anos atrás, quando era bem mais difícil se assumir homossexual. Quanto aos héteros serem minoria, eu acho um pouco difícil, mas que os homos tem muitas regalias legais, isso é patente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc Odacyr; muito pouco provável que um dia, a maioria seja homo e diria mais. Se não for feita pesquisas mas sérias com relação a este tipo de, orientação ou opção ou sei lá o que ocorre no ser da pessoa que adota ou assume tal comportamento, dificilmente as famílias futuras vão poder combater o fenomeno descrito em seu artigo anterior que narra a situação da mãe na cidade grande criando o seu filho no meio de um monte de homossexual. A familia de hoje precisa de respostas precisas das diversas ciências humanas, dentre elas a psicologia que ocupa papel principal nestas pesquisas, para que os pais saibam responder aos seus filhos e conversar com os mesmos sobre estes sujeitos que cada vez mais os seus comportamentos se tornam naturalizados, leis em favor deles aprovadas e a tradicional familia a margem tendo que tirar respostas da cartola para seus filhos em fase de desenvolvimento.
      Esta é com certeza um assunto a ser estudado com muito carinho pois eles precisam sim, ser respeitados mas também precisam ter consciência mais clara sobre sua verdadeira identidade e saber até aonde irá o limite do respeito que é e sempre será em todas as esferas do relacionamento humano uma via de mão dupla.
      Gostei muito de suas duas considerações e persevere escrevendo pois quando gera critica é sempre melhor pois opiniões precisam ser debatidas para que se possa chegar a um denominador comum.

      Excluir
    2. Eles precisam ser respeitados, mas precisam deixar de ser gays. Grande hipócrita. É como dizer que respeita os negros, desde que sejam brancos.

      Excluir
  3. Concerteza que e comportamental, so que os gays querem meter na cabeca das pessoas que eles ja nascem assim. Com estudos realizados por gays. Em que muitas vezes querem comparar com os animais, sendo que os animais nao tem o lado racional.
    Se fosse algo genetico, o sexo nao precisaria ser anal, talvez haveria outro lugar especifico, pra entao a pessoa decidir se quer ser hetero ou homo. Todo mundo nasceria com os dois sexos, pra entao decidir depois. Teriam capacidade de procriacao entre eles. Isso e uma balela. Conversa de doido, q todo mundo hoje em dia esta sendo obrigado a engolir. Deixo claro que nao tenho nada contra quem e, porque ate tenho amigos que sao.
    Abraco a Todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém teve um momento na vida em que pode escolher ser hétero ou homo? Eu acho que não. Então é muita hipocrisia achar que os gays tiveram.

      As variantes que determinam a orientação sexual humana são as mesmas tanto para héteros quanto para homos, ou agora vão querer provar que gays não são humanos também?

      Excluir
  4. Nossa cara (rádio pentecostal), você é muito preconceituoso. Tá vendo o próprio texto falando que a genética é 60% e o ambiente 40%, como é que você afirma que com certeza é comportamento? Xingar de doido quem tem opção sexual divergente da sua é que é doideira e daqui uns dias vai dar cadeia isso, então cuidado com o que você fala.

    ResponderExcluir
  5. Essa Não é a melhor maneira de se discutir uma questão. É o mesmo que pedir respeito desrespeitando, ou buscar por paz com guerra.

    ResponderExcluir
  6. Apesar de não ser tão dramático pra quem vê de fora, quem vive vê o mundo desabar quando o pai fala que não criou filho no mundo pra passar vergonha nele. As coisas podem até ter melhorado do ponto de vista "aparente aceitação social", mas o olhar diz muito mais do que qualquer palavra.

    ResponderExcluir
  7. O melhor é não desabafar com um evangélico ou um pastólogo.

    ResponderExcluir
  8. Por mais que queiramos o preconceito não vai acabar. Ele é uma válvula de escape paras as pessoas mediocres não se sentirem insignificantes. E ele existe dos dois lados. É fato. Mas se conseguirmos combater a OPRESSÃO que o preconceito gera, e se conseguirmos derrotar os OPRESSORES em seus próprios argumentos, talvez consigamos evoluir muitos séculos como seres humanos.
    Não sou gay. Mas tenho amigos que são. E esses amigos detonam outros amigos gays pela conduta deles. Nada haver com sair do armario ou ser galinha, mas sim com ter respeito e se dar ao respeito. Foi com eles que aprendi o que é tolerância. Eles julgam o caráter e fazem amigos por esse critério. Eu tive a sorte de ser escolhido por eles. Eles nunca me cantaram nem nunca quizeram me mudar. Me aceitaram em sua roda de amizades e em fizeram compreender coisas importantes. E da mesma forma como agiram comigo eu venho tentando agir com todos os os gays a quem venho conhecer ocasionalmente. Mas nem todos pensam do mesmo jeito. Como eu disse antes, a OPRESSÃO vem de ambos os lados. O lado que mostrar maior superioridade espiritual talvez consiga mostras a luz pra maioria. Se o mundo fosse acabar amanhã, todas essas bobagens ficariam de lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É engraçado perceber como o discurso segregador se concentra justamente na fatia da sociedade que diz defender o amor ao próximo e o perdão.

      Excluir
  9. Acontece que quem é gay já nasce gay. Se ele vai "sair do armário" ou não, depende do ambiente em que ele vive.
    Se eu adoro chocolate mas sei que posso ser discriminada ou até assassinada por isso, vou pensar duas vezes antes de sair falando pra todo mundo.
    É assim que as coisas funcionam.

    ResponderExcluir
  10. " Os homossexuais vão dominar o mundo e vão instaurar uma ditadura gay. "
    Se você pensa assim, o suicídio é bem vindo.

    ResponderExcluir
  11. Nínguem nasce gay, Deus criou e cria macho e fêmea.

    ResponderExcluir
  12. "Pesquisadores dizem que não existe um 'gene gay'" & "Estudos realizados em gêmeos idênticos prova que o homossexualismo não é genético"

    minhas opiniões:

    verdadesuteiseverdadesinuteis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. gay já nasce gay, ah gente, deixa eles serem do jeito que ele quiserem, vc tem sua vida e eles tem a deles, sem preconceito com ninguém e pronto

    ResponderExcluir
  14. Acha mesmo que eu escolhi ser gay nessa sociedade preconceituosa? Acha que eu iria escolher isso se fosse uma escolha? Muita gente ignorante e desinformada, se for escolha quando você começou a ser hetero? Entenda que isso não é uma escolha e sim, algo natural como a sua natureza.

    ResponderExcluir

Flickr Images

Formulário de contato